A história da concepção de Maria

A história da concepção e da infância da Virgem Maria faz parte dos chamados Evangelhos da Infância: proto-evangelho de Tiago – escrito entre 140-170 d.C., versão mais antiga conhecida do séc. III – e o de Pseudo-Mateus – séc. IV ou V – ambos os livros apócrifos.
Neles encontramos narrativas que descrevem as circunstâncias envolvendo a concepção e nascimento da Virgem.
Imagem de Giotto di Bondone, Cenas da Vida de Joaquim: Anunciação à Santa Ana, 1304-06, afresco, Capela Scrovegni Pádua. Imagem da Web Gallery of Art – ver datalhes de outras imagens – efetuar busca por Giotto – ver o conjunto de obras das cenas da vida de Joaquim.

Ana e Joaquim já estavam casados há cerca de vinte anos sem que conseguissem ter filhos, o que entre os judeus da época era visto quase como uma maldição. Certa feita, Joaquim teve sua oferenda recusada no templo, já que, por não ter filhos, ele não parecia estar nas boas graças do Senhor. Decepcionado e sentindo que aquela era ainda mais uma punição do Senhor, Joaquim decidiu se retirar para as montanhas com seu rebanho, abandonando Ana. Isto segundo Pseudo-Mateus. De acordo com o Evangelho de São Tiago, Joaquim teria se recolhido em retiro, jejuando e se abstendo da companhia da mulher.

Ana que já não tinha filhos, se viu também abandonada pelo marido e resolveu orar, pedindo ajuda ao Senhor. Em resposta às suas preces, apareceu um anjo do Senhor que a tranqüilizou, avisando que suas preces tinham sido ouvidas e que em breve seu marido retornaria e eles teriam o tão esperado filho. O mesmo anjo apareceu a Joaquim na montanha, para onde ele havia se retirado com seu rebanho, instruindo-o a voltar para casa por que Ana, sua mulher, havia concebido o filho que tanto desejava.

Joaquim obedeceu prontamente e, ao encontrar com Ana, os dois teriam se abraçado e trocado um beijo no rosto – momento que foi, erroneamente, retratado como o instante em que se teria dado a concepção de Maria. Segundo ambos evangelhos, portanto, a semente que gerou Maria, no ventre de Ana foi plantada pelo Senhor.

O Catecismo da Igreja Católica, assim se expressa:
“Ao longo dos séculos, a Igreja tomou consciência de que
Maria, ‘cumulada de graça’ por Deus, foi redimida desde a
concepção. É isso que confessa o dogma da Imaculada
Conceição, proclamado em 1854 pelo Papa Pio IX”

 

Existem outras teorias e doutrinas sobre a concepção de Maria e uma das principais delas é de São Tomaz de Aquino Leia o documento em formato PDF.

 

Texto original: Márcia Bonnet –Univ.Federal do Rio Grande do Sul.

Ver online alguns livros apócrifos: gnosis.org, earlychristianwritings.com, ccel.org e metareligion.org.

Anúncios

Publicado em 18/11/2009, em Arte, Concepção, História, Infância, Web Art. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

comente o artigo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: