Assunção da Virgem Maria

Assunção da Virgem. 1616. Por Rubens, atualmente nos Museus Reais de Belas-Artes da Bélgica.
Assunção da Virgem.
1616. Por Rubens, atualmente nos Museus Reais de Belas-Artes da Bélgica.

A Assunção da Virgem Maria, informalmente conhecido apenas por A Assunção, de acordo com as crenças da Igreja Católica Romana, da Igreja Ortodoxa, das Igrejas Ortodoxas Orientais e partes do Anglicanismo, foi a assunção do corpo da Virgem Maria no Céu ao final de sua vida terrestre.

O catolicismo romano ensina como um dogma que a Virgem Maria “tendo completado o curso de sua vida terrestre, foi assumida, de corpo e alma, na glória celeste”. Esta doutrina foi definida dogmaticamente pelo papa Pio XII em um de novembro de 1950 na constituição apostólica Munificentissimus Deus dentro do exercício da infalibilidade papal. Ainda que as Igrejas Católica e Ortodoxa acreditem na Dormição de Maria, que é o mesmo que a Assunção, a morte de Maria não foi definida dogmaticamente.

Em Munificentissimus Deus (item 39), Pio XII aponta para o Gênesis (Gênesis 3:15) como o apoio nas escrituras para o dogma, destacando a vitória de Maria sobre o pecado e sobre a morte, como também aparece em I Coríntios 15:54 :: “então se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória”4 5 6 .

Nas igrejas a Assunção é uma festa maior, geralmente celebrada em 15 de agosto.

História da Crença

Embora a Assunção (em latim: assūmptiō – “elevado”) tenha sido definida em tempos relativamente recentes como um dogma infalível pela Igreja Católica e, a despeito de uma afirmativa de Epifânio de Salamina em 377 de que ninguém sabia se Maria havia morrido ou não, relatos apócrifos sobre a assunção de Maria ao céu circulam desde pelo menos o século IV.

A morte da Virgem. 1606. Por Caravaggio. Atualmente no Louvre.
A morte da Virgem.
1606. Por Caravaggio. Atualmente no Louvre.

A própria Igreja Católica interpreta o capítulo 12 do Apocalipse como fazendo referência ao evento. A mais antiga narrativa é o chamado Liber Requiei Mariae (“O Livro do Repouso de Maria”), que sobrevive intacto apenas em uma tradução etíope. Provavelmente composta no início do século IV, esta narrativa apócrifa cristã pode ser do início do século III. Também muito primitivas são as diferentes traduções dos “Narrativas da Dormição dos ‘Seis Livros”. As versões mais antigas deste apócrifo foram preservadas em diversos manuscritos em siríaco dos séculos V e VI, embora o texto em si seja provavelmente do século IV.

Apócrifos posteriores que se basearam nestes textos mais antigos incluem o De Obitu S. Dominae, atribuído a São João, uma obra provavelmente da virada do século VI que é um sumário da narrativa dos “Seis Livros”. A assunção também aparece no De Transitu Virginis, uma obra do final do século V atribuída a São Melito que preserva uma versão teologicamente editada das tradições presentes no Liber Requiei Mariae. Transitus Mariae conta a história de como os apóstolos teriam sido transportados por nuvens brancas até o leito de morte de Maria, cada um deles vindo da cidade em que estava pregando no momento.

O Decretum Gelasianum, já na década de 490, declarava que a literatura no estilo transitus Mariae era apócrifa.

Uma carta em armênio atribuída a Dionísio, o Areopagita, também menciona o evento, embora seja uma obra muito posterior, escrita em algum momento do século VI. João Damasceno, de sua época, é a primeira autoridade eclesiástica a advogar a doutrina pessoalmente (e não na forma de obras anônimas). Seus contemporâneos, Gregório de Tours e Modesto de Jerusalém, ajudaram a promover o conceito por toda a igreja.

Assunção da Virgem -  Antoine Sallaert - (1580/1585–1650) - Sotheby's
Assunção da Virgem –
Antoine Sallaert – (1580/1585–1650) – Sotheby’s

Em algumas versões da história, o evento teria ocorrido em Éfeso, a Casa da Virgem Maria, embora esta seja uma tradição muito mais recente e localizada. As mais antigas todas apontam que o fim da vida de Maria se deu em Jerusalém (veja “Túmulo da Virgem Maria”). Pelo século VII, uma variação apareceu, que conta que um dos apóstolos, geralmente identificado como sendo São Tomé, não estava presente na morte de Maria, mas sua chegada atrasada teria provocado uma reabertura do túmulo da Virgem, que então se descobriu estar vazio, com exceção de suas mortalhas. Numa outra, posterior, Maria lançaria do céu sua cinta para o apóstolo como uma prova do evento. Este incidente aparece muitas vezes nas pinturas sobre a Assunção.

A doutrina da Assunção de Maria se tornou amplamente conhecida no mundo cristão, tendo sido celebrada já no início do século V e já estava consolidada no oriente na época do imperador bizantino Maurício por volta de 60015 . O evento era celebrado no ocidente na época do papa Sérgio I no século VIII e foi confirmada como oficial pelo papa Leão VI.

O debate teológico sobre a Assunção continuou depois da Reforma Protestante e atingiu um clímax em 1950, quando o papa Pio XII o definiu como dogma para os católicos. O teólogo católico Ludwig Ott afirmou que A ideia da assunção corpórea de Maria foi expressa pela primeira vez em certas “narrativas de trânsito” [transitus Mariae] nos séculos V e VI.

O primeiro autor a falar da assunção corpórea de Maria, em associação com um transitus apócrifo, foi São Gregório de Tours. O escritor católico Eamon Duffy afirma que “não há, claramente, nenhuma evidência histórica para ele”. Porém, a Igreja Católica jamais afirmou ou negou que seu ensinamento tenha se baseado em relatos apócrifos. Os documentos eclesiásticos nada comentam sobre o assunto e, ao invés disso, apontam outras fontes e argumentos como base para a doutrina.

Definição do Dogma

Em 1 de novembro de 1950, na constituição apostólica Munificentissimus Deus, o papa Pio XII declarou a Assunção de Maria como um dogma:

Pela autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e em nossa própria autoridade, pronunciamos, declaramos e definimos como sendo um dogma revelado por Deus: que a Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, tendo completado o curso de sua vida terrena, foi assumida, corpo e alma, na glória celeste.

Principais títulos

Nossa Senhora da Assunção é a denominação dada a Virgem Maria em alusão a sua assunção aos céus. A festa da Assunção é comemorada dia 15 de agosto. Também é conhecida como Nossa Senhora da Glória ou Nossa Senhora da Guia. É padroeira de diversas cidades brasileiras, entre elas, Fortaleza, Cabo Frio no Rio de Janeiro, Jales no interior de São Paulo.

Anúncios

Nossa Senhora da Anunciação

nossa_senhora_anunciação“Eis que conceberá e darás à luz um filho” (Lucas 1,31)

Celebramos uma das mais belas solenidades da Virgem Maria: “A anunciação do Senhor”. O anúncio da Encarnação do Filho de Deus é dirigido a uma pessoa bem específica. Esta pessoa está inserida em um povo de uma periférica Cidade da Galileia. O mensageiro de Deus, o anjo Gabriel, entra na história dos homens, se dirige a uma jovem pobre que vive a experiência dos “anawuins” – os pobres de Deus, que são aqueles que esperavam ansiosamente pela vinda do Salvador.

A narrativa do Evangelho de Lucas que fala da Anunciação e da Concepção do Filho de Deus no seio de Maria nos diz que este evento só acontecerá a partir do consentimento desta jovem judia e a Encarnação só se realizará após o seu “faça-se”. Deus entra em nosso mundo fazendo-se humano como nós; com isso diviniza-nos, dignifica-nos, eleva a natureza humana a um grau de santidade jamais imaginado por alguém. Com a Encarnação, Deus se insere no meio dos pobres sem ostentação, sem grandezas e sem poder. A entrada do Verbo de Deus no mundo por meio do Sim de Maria manifesta a suprema expressão do seu Amor para com a humanidade.

A centralidade do evento da anunciação está no magnífico anúncio que o anjo faz, não só a Maria, mas a toda a humanidade.  A grande notícia é a entrada do Filho de Deus no mundo e a porta pela qual entrará é a disponibilidade, a fé e um incondicional amor que possuía esta jovem chamada Maria. Por um amor sem limites a Javé deixa seus projetos pessoais para assumir o grande Projeto de Deus. Ela foi contemplada no Mistério da Encarnação como a escolhida para ser a mãe de Deus; ela é a aurora que precede o “Eterno Sol” o “Eterno Dia” – Jesus. Ante a grandeza do anúncio do anjo ela se submete num ato de fé e de humildade. Por ser humilde crê em coisas humanamente impossíveis e crendo, aceita. Por causa de sua humildade coloca-se a serviço de Deus como uma verdadeira serva. A magnífica noticia que o anjo Gabriel traz a Maria é a IDENTIDADE daquele que seria gerado em seu seio; disse o anjo: “Será chamado FILHO DO ALTÍSSIMO”.

É importante destacar ainda nesta pequena reflexão duas características de Maria que me são muito caras e que neste evento da anunciação merecem destaques particulares, e são decisivas para a Encarnação e para a Salvação da humanidade. Estas características são: a fé e a disponibilidade de Maria.

Anunciação do arcanjo São Gabriel a Nossa Senhora — Pintura do monge Filippo Lippi (1450) discípulo de Fra Angélico
Anunciação do arcanjo São Gabriel a Nossa Senhora — Pintura do monge Filippo Lippi (1450) discípulo de Fra Angélico

A fé: Maria é uma mulher de fé que pode ser colocada no mesmo patamar do pai da fé, Abraão, pois quando tem a certeza de que o que vai acontecer com ela vem de Deus e é vontade Dele, ela não coloca mais nada em discussão; assina um cheque em branco e diz: “FAÇA-SE EM MIM” mesmo sem saber como sucederão os fatos a partir daquele momento. DÁ UM SIM INCONDICIONAL e sem ver um milímetro à sua frente, dá o salto no escuro, acreditando no poder de Deus, acreditando no impossível. Como serva não terá mais direitos, por isso se coloca numa atitude de total disponibilidade ao SEU SENHOR.

A disponibilidade: A vida de Maria é uma porta aberta para Deus; é o modelo de toda disponibilidade que um ser humano possa ter: Disponível para Deus e disponível para o irmão.

Com o grande evento: ANUNCIAÇÃO/ENCARNAÇÃO sai de si mesma em direção ao outro e neste caso, diz o Evangelho, vai ao encontro de uma pessoa idosa, estéril, grávida que necessita de ajuda – Sua prima Isabel.

A visita do Arcanjo Gabriel à Virgem Maria, quando esta se encontrava em Nazaré, cidade da Galileia, marca o início de toda uma trajetória que cumpriria as profecias do Velho Testamento e daria ao mundo um novo caminho, trazendo à luz a Boa Nova. Ali nasceu também a oração que a partir daquele instante estaria para sempre na boca e no coração de todos os cristãos: a Ave Maria.

lanounciationMaria era uma jovem simples, noiva de José, um carpinteiro descendente direto da linhagem da casa de Davi. A cerimônia do matrimônio, daquele tempo, entretanto, estabelecia que os noivos só tivessem o contato carnal da consumação depois de um ano das núpcias. Maria, portanto, era virgem.

Maria perturbou-se ao receber do anjo o aviso que fora escolhida para dar a luz ao Filho de Deus, a quem deveria dar o nome de Jesus, e que Ele era enviado para salvar a Humanidade e cujo Reino seria eterno. Sim, porque Deus, que na origem do mundo criou todas as coisas com sua Palavra, desta vez escolheu depender da palavra de um frágil ser humano, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Redentor da Humanidade.

Ela aceitou sua parte na missão que lhe fora solicitada, demonstrando toda confiança em Deus e em Seus desígnios, para o cumprimento dessa profecia e mostrou por que foi ela a escolhida para ser Instrumento Divino nos acontecimentos que iriam mudar o destino da Humanidade.

Ao perguntar como poderia ficar grávida, se não conhecia homem algum e recebeu de Gabriel a explicação de que seria fecundada pelo Espírito Santo, por graças do Criador, sua resposta foi tão simples como sua vida e sua fé: “Sou a serva do Senhor. Faça-se segundo a Sua vontade”.

Com esta resposta, pelo seu consentimento, Maria aceitou a dignidade e a honra da maternidade divina, mas, ao mesmo tempo, também os sofrimentos, os sacrifícios que a ela estavam ligados. Declarou-se pronta a cumprir a vontade de Deus em tudo como sua serva. Era como um voto de vítima e de abandono. Esta disposição é a mais perfeita, é a fonte dos maiores méritos e das melhores graças. O momento da Anunciação, onde se dá a criação, na pessoa de Maria como a Mãe de Deus, que acolhe a divindade em si mesma, contém em si toda a eternidade e nesta toda a plenitude dos tempos.

Por isso a data de 25 de Março marca e festeja este evento que se trata de um dos mistérios mais sublimes e importantes da História do homem na Terra: a chegada do Messias, profetizada séculos antes no Antigo Testamento. Episódio que está narrado em várias passagens importantes do Novo Testamento.

A festa da Anunciação do Anjo à Virgem Maria é comemorada desde o Século V, no Oriente e a partir do Século VI, no Ocidente, nove meses antes do Natal, só é transferida quando coincide com a Semana Santa.

Retábulo sobre a anunciação - Mathis Gothart Grenewald
Retábulo sobre a anunciação. Obra de Matthias Grünewald – Óleo sobre madeira – 1512-1516. A obra está no Museu de Unterlinden em Colmar, França, na região da Alsácia. O museu está localizado num convento de monjas dominicanas do século XIII

Anunciação nas Artes:

A Anunciação é um dos mais frequentes temas da arte cristã, tanto no oriente quanto no ocidente, principalmente durante a Idade Média e o Renascimento, e figura no repertório de quase todos os grandes mestres. As imagens da Virgem Maria e do Anjo Gabriel, emblemáticas da pureza e da graça, eram o tema favorito na arte mariana católica romana.

A Anunciação de Maria é um dos temas mais abordados na pintura do Renascimento e tomou impulso após as visões de Santa Brígida, no século XIV, quando, segundo a tradição, Nossa Senhora lhe apareceu e narrou-lhe as principais cenas do nascimento de Cristo.

Obras sobre o tema foram criadas por artistas como Sandro Botticelli, Leonardo da Vinci, Caravaggio, Duccio e Murillo, entre outros. Os mosaicos de Pietro Cavallini em Santa Maria in Trastevere (1291), o afresco de Giotto na Capela Scrovegni em Pádua (1303), o afresco de Domenico Ghirlandaio na igreja de Santa Maria Novella (1486) e a escultura dourada de Donatello na Basílica de Santa Croce (1435), ambas em Florença, são exemplos famosos.

Cappella degli Scrovegni, também conhecida como Capela Arena é uma igreja em Pádua, na região do Vêneto, Itália. Ela contém um ciclo de afrescos de Giotto, executada em 1305, que é uma das mais importantes obras-primas da arte ocidental. A igreja foi dedicada a Santa Maria della Carità na Anunciação, 1303. O ciclo de afresco de Giotto enfoca a vida da Virgem e celebra seu papel na salvação humana. A capela também é chamada de Capela Arena porque foi construída em uma área comprada por Enrico Scrovegni, que era o local de um anfiteatro romano, onde ocorriam procissões ao ar livre e representações sagradas da Anunciação. Um moteto de Marchetto da Padova parece ter sido composto para a dedicação em 25 de março de 1305.

Tradições:

No calendário litúrgico das Igrejas Católica, Anglicana e Luterana, a data da festa é alterada sempre que ela cair na Semana Santa ou num domingo. Para evitar o domingo antes da Semana Santa, o dia seguinte (26 de março) será o dia da celebração. Em anos como 2008, quando 25 de março caiu na Semana Santa, a Anunciação foi comemorada na segunda apos a oitava da Páscoa, que é o domingo após a Páscoa.

Maria é chamada verdadeiramente Mater Dei, em latim e no cristianismo oriental, Maria é chamada de Theotokos (“Mãe de Deus”). O troparion tradicional (hino do dia) da Anunciação remonta à época de Atanásio de Alexandria.

A Festa da Anunciação é uma das Grandes Festas do ano litúrgico. Sendo o primeiro ato da Encarnação de Jesus, a Anunciação tem tanta importância na teologia oriental que a Liturgia Divina Festiva de São João Crisóstomo é sempre celebrada no dia 25 de março, independente de quando este dia cair, mesmo se for no dia da Pascha, uma coincidência que é chamada de Kyriopascha . É também a única possibilidade da Divina Liturgia ser celebrada na Grande e Sagrada Sextaé se ela cair no dia 25 de março. Por conta disso, o ritual de celebração desta festa é um dos mais complicados de toda a liturgia da Igreja Ortodoxa.

Altar da Anunciação (c.1425) Um magnífico exemplar da pintura flamenga primitiva
Altar da Anunciação (c.1425)
Um magnífico exemplar da pintura flamenga primitiva

Origem da festa:

Esta festa era observada já muito cedo pelos calendários cristãos. Segundo Talley, liturgista anglicano, a data baseia-se na tradição judaica e pensamento rabínico. Ele observa que os nascimentos e as mortes, inícios e finais, já eram celebrados em uma data específica. Dada a suprema importância de 14 Nisan, a data da Páscoa judaica, era uma escolha óbvia para os novos cristãos marcar o início de sua história, ou seja, a Anunciação da vinda de Jesus Cristo.

As primeiras alusões à festa encontram-se no cânon do Décimo Concílio de Toledo (656). O Concílio de Constantinopla (692) proibiu a celebração de festas durante a Quaresma, excetuando-se os domingos (Dia do Senhor) e a Anunciação. Uma origem ainda mais antiga já foi alegada para ela, alegando que a festa foi citada nos sermões de Atanásio de Alexandria e de Gregório Taumaturgo, mas ambos os documentos são hoje considerados espúrios. O Sínodo de Worcester, na Inglaterra, em 1240, proibiu todo o trabalho servil nesta data.

Ordem religiosa

Ordem da Anunciação (Latim: Ordo de Annuntiatione Beatae Mariae Virginis), (sigla O.Ann.M.) é uma ordem religiosa católica de clausura monástica e de orientação puramente contemplativa. Fundada a 20 de Outubro de 1502 por Santa Joana de Valois, Rainha de França, e por Frei Gabriel Maria Nicolas, a ordem foi aprovada pelo Papa Alexandre VI nesse mesmo ano.

Ordem da Santíssima Anunciação (Latim: Ordo Sanctissimae Annuntiationis), (sigla O.SS.A.) é uma ordem religiosa católica de clausura monástica e de orientação puramente contemplativa surgida no século XVII. Fundada pela Beata Maria Vitória de Fornari Strata, esta ordem religiosa foi aprovada provisoriamente a 6 de Agosto de 1613, pelo Papa Paulo V, e aprovada definitivamente a 15 de Março de 1604, pelo Papa Clemente VIII.

Às monjas é dado o nome de Celestes (ou Monjas da Anunciação Celeste) e atualmente existem conventos da sua ordem religiosa na Itália, em Portugal, em Espanha, na França, nas Filipinas, na Romênia e no Brasil.

O toque das Ave-marias

A devoção a Nossa Senhora da Anunciação levou muitas ordens religiosas a honrarem-se com o distintivo da Anunciação de Maria e o mesmo espírito de devoção levou o papa Urbano II a ordenar em 1095, que por três vezes ao dia, pela manhã, ao meio dia e à noite, se tocassem os sinos para lembrar aos fieis a reza das “Ave-Marias”. Ainda hoje o toque das Aves Marias se faz em muitos lugares. Já Santo. Antônio pregava a devoção das “Três Ave-Marias”, mas ela tomou maior incremento quando a própria Virgem aconselhou Santa Matilde (1241-1297), para obter a graça de uma boa morte. São Leonardo, grande pregador missionário e Santo Afonso Maria de Ligório foram apóstolos ardorosos desta devoção.

Nossa Senhora da Glória

Nossa_Senhora_gloriaSegundo a lenda, Nossa Senhora apareceu a D. Pedro I, o Justo, numa ocasião em que ele estava caçando na região que hoje é chamada de Gloria do Ribatejo em Portugal, no ano de 1360 ou 1362 e que a Virgem o livrou de afogar-se na parte funda de um rio ou um lago que havia naquele local.

Glória do Ribatejo é uma localidade de Santarém, pertencente ao concelho de Salvaterra de Magos. Passou a freguesia em 29 de Agosto de 1966 e foi elevada a vila em 20 de Maio de 1993.

Em reconhecimento, o rei mandou construir uma igreja, dando à Virgem o nome de Senhora da Glória, pelas muitas luzes e resplendores de que estava cercada, no ato da aparição.

Sobre a porta principal da igreja em Ribatejo, está uma inscrição, em letra gótica, que mal se pode ler. Parece que se vê 1360, e se é esta a data, era certamente no reinado de D. Pedro I. Diz-se que a Senhora apareceu no lugar onde está a capela-mor, sobre o mesmo pedestal em que ainda se conserva a imagem da virgem. O templo é amplo e majestoso, mostrando ser obra real. O sitio é tão deserto, que em 12 km, ao redor, não há povoação nenhuma; mas junto à igreja há uma aldeia. Em frente da igreja há um vasto terreiro, arborizado, com algumas casas, para pousada dos romeiros.

dom_pedro_iDom Pedro I

D. Pedro I, foi o 8º rei de Portugal e foi por sua ordem que foi erigida a vila de Glória do Ribatejo.
Reinou apenas por 10 anos, e protagonizou a mais trágica historia de amor do reino com D. Inês de Castro a aia galega de sua mulher D. Constança.
A ordem do assassinato partiu do seu pai Afonso IV, o que levou a que a relação entre os dois se tivesse deteriorado.
Devido ao triste desenlace desta historia ficou conhecido por dois cognomes (O Cruel ou O Justo), graças á perseguição e á forma violenta como executou os assassinos de sua amada.
Segundo a lenda, o Rei coroou Inês, já cadáver tornando-a Rainha de Portugal, levando a corte a participar na cerimonia e obrigando-os a beijar mão da falecida.
“D. Pedro revelou-se um excelente estadista, era um bom administrador, e foi um defensor das camadas mais desprotegidas da população.”
Os seus 10 anos de reinado tornaram-no tão popular que dizia o povo ” Que taaes dez anos nunca ouve em Portugal como estes que reinara el Rei Dom Pedro”
O corpo do rei, jaz á beira da sua amada, no mosteiro Santa Maria de Alcobaça, uma obra prima do gótico em Portugal e considerado uma das 7 Maravilhas em território português.
Devoção Mariana
Nossa Senhora da Glória é o titulo que se refere a três verdades de fé professadas pela Igreja: a Dormição de Nossa Senhora, sua Assunção ao céu em corpo e alma e sua Glorificação como Rainha do céu e da terra. São o quarto e o quinto Mistérios Gloriosos do Terço.

A devoção relembra a coroação da Virgem como rainha.

Dormição da Virgem Maria. Mosaico na Igreja de Chora em Istambul.
Dormição da Virgem Maria.
Mosaico na Igreja de Chora em Istambul.

Dormição de Nossa Senhora

A Dormição de Maria é uma verdade de fé professada pela Igreja. Segundo a Tradição da Santa Igreja Católica Apostólica Romana: Maria faleceu por volta dos 58 anos de idade, em Jerusalém. Após sua morte, seu corpo foi velado com grande emoção e vigílias pelos cristãos. Vários apóstolos vieram de longe para se despedirem da mãe do Salvador. Depois, seu corpo foi sepultado, provavelmente no Horto das Oliveiras.

A Dormição de Maria, também chamada de Dormição da Theotokos (em grego: Κοίμησις Θεοτόκου – Koímēsis, frequentemente latinizado como Kimisis, e Uspénie em língua eslava eclesiástica, termos que se referem ao ato de dormir), é uma das grandes festas da Igreja Ortodoxa e das Igrejas Ortodoxas Orientais e Católicas Orientais que comemora a “dormição” ou morte da Theotokos (Maria, literalmente traduzido como “portadora de Deus”), e sua ressurreição corporal antes de ser elevada ao céu. Ela é celebrada em 15 de agosto (28 de agosto no calendário juliano ainda observado por algumas denominações) como a Festa da Dormição da Mãe de Deus. A Igreja Apostólica Arménia celebra a Dormição não numa data fixa, mas no domingo mais próximo de 15 de agosto.

O túmulo de Nossa Senhora da Glória fica vazio

Um dos apóstolos, provavelmente por estar distante fisicamente, chegou a Jerusalém algumas horas depois que o corpo de Maria tinha sido sepultado.  E ele quis muito ver o corpo de Nossa Senhora pela última vez. Mas quando abriram o túmulo para que o apóstolo pudesse vê-la, o corpo da Virgem não estava mais lá. Todos, então, glorificaram a Deus reconhecendo que Maria tinha sido elevada ao céu não só em espírito, mas também em corpo físico. Por isso, desde os primórdios, os fiéis festejam a Assunção de Nossa Senhora e sua glorificação no céu. E é daí que se origina o título Nossa Senhora da Glória.

São João Damasceno formula assim a tradição da Igreja de Jerusalém: São Juvenal, Bispo de Jerusalém, no Concílio de Calcedônia (451), levou ao conhecimento do Imperador Marciano e Pulquéria, que desejava possuir o corpo da Mãe de Deus, que Maria morreu na presença de todos os Apóstolos, mas que o seu túmulo, quando aberto, a pedido de São Thomas foi encontrado vazio; a partir do qual os Apóstolos concluíram que o corpo foi levado para o céu.

A Assunção de Nossa Senhora da Glória

Assunção quer dizer ser elevado (a), ou seja, Maria não subiu ao céu pelo seu próprio poder, mas foi levada ao céu pelo poder de Deus. É o quarto Mistério Glorioso contemplado no Terço. A Assunção de Maria é também um dogma da Igreja Católica proclamado pelo Papa Pio XII em 1950. No documento eclesiástico promulgado no dia primeiro de novembro de 1950, Festa de Todos os Santos, o Papa Pio XII declarou como dogma revelado por Deus que Maria, Mãe imaculada perpetuamente Virgem de Deus, após a conclusão da sua vida terrena, foi assunta em corpo e alma à glória dos Céus.

Sinal para todo cristão

A Festa da Assunção de Maria, como Nossa Senhora da Glória é um sinal para nós que um dia, pela graça de Deus e os nossos esforços, também poderemos nos juntar à Mãe Santíssima, dando glória a Deus. A Assunção é uma fonte de grande esperança para nós, pois aponta o caminho para todos os seguidores de Cristo, que imitam a sua fidelidade e obediência à vontade de Deus. Onde Nossa Senhora está agora, nós também estamos destinados a estar e podemos esperar por isso contando com a graça divina. O fato de Maria ser elevada ao céu depois que sua vida na terra terminou é o resultado lógico de sua natureza imaculada, exclusivamente protegida – também pela graça de Deus – do pecado original.

Catecismo cita Nossa Senhora da Glória

O Catecismo da Igreja Católica, capítulo 3, 6, diz:

Finalmente, a Virgem Imaculada, preservada e imune de toda mancha do pecado original, quando terminada sua vida terrena, foi levada em corpo e alma à glória celestial, e exaltada pelo Senhor como Rainha de todas as coisas, de modo que ela pode ser mais plenamente conformada com seu Filho, Senhor dos senhores e vencedor do pecado e da morte. A Assunção da Virgem é uma participação singular na Ressurreição de Jesus e uma antecipação da ressurreição dos outros cristãos.

Imagem de Nossa Senhora da Glória

Nossa Senhora da Glória é representada com os braços abertos num ato de louvor a Deus, tendo sobre sua cabeça uma coroa de 12 estrelas, conforme é mencionado no livro do Apocalipse. Algumas imagens apresentam Nossa Senhora com o Menino Jesus.

Orações a Nossa Senhora da Glória

Pai amoroso, Vós que elevastes a Virgem Maria ao céu para compartilhar a vossa comunhão de amor, fazendo com que ela se torne exemplo e esperança para cada um de nós, pela vossa misericórdia e pelo sacrifício de nossas orações, aceitai-nos para aquele abraço santo e definitivo na glória eterna, junto convosco e com a Virgem Maria. Isso nós vos pedimos por Cristo nosso Senhor. Amém.

Nossa Senhora da Glória, um conforto nas dificuldades.

Falando sobre Nossa Senhora da Glória, o Papa Bento XVI afirmou:

Ao contemplar Maria na glória celestial, entendemos que a terra não é a pátria definitiva para nós também, e que, se vivemos com o nosso olhar fixo nos bens eternos, a terra se tornará mais bela. Consequentemente, não devemos perder a serenidade e a paz mesmo no meio de tantas dificuldades cotidianas. O sinal luminoso de Nossa Senhora recebida no céu brilha ainda mais intensamente quando as sombras tristes de sofrimento e violência parecem pairar no horizonte.

Podemos estar certos de que: do alto, Maria acompanha os nossos passos, com preocupação, gentil, dissipa a escuridão nos momentos de trevas e angústia, tranquiliza-nos com a sua mão materna. Apoiados por esta consciência, vamos continuar confiantes no nosso caminho de compromisso cristão onde quer que a Providência nos levar. Vamos avançar em nossas vidas sob a orientação de Maria.

Papa Bento XVI,, Audiência Geral, em Castel Gandolfo no dia 16 de agosto de 2006.

Morte da Virgem. ano 1461. Por Mantegna, atualmente no Museu do Prado, em Madrid.
Morte da Virgem.
ano 1461. Por Mantegna, atualmente no Museu do Prado, em Madrid.

Detalhes sobre a dormição

A Dormição da Maria é celebrada em 15 de agosto (28 de agosto no calendário juliano), o mesmo dia da Festa da Assunção de Maria da Igreja Católica. Apesar de ambos os eventos comemorarem o mesmo evento (a partida de Maria deste mundo), as crenças não são exatamente idênticas.

A ortodoxia ensina que Maria passou por uma morte natural, como qualquer outro ser humano; que sua alma foi recebida por Cristo após a sua morte e que seu corpo foi ressuscitado no terceiro dia, no qual este corpo foi finalmente elevado ao céu para se juntar à sua alma. Seu túmulo foi encontrado vazio no terceiro dia.

O ensinamento católico defende que Maria foi “assumida” no céu de corpo e alma, justamente como seu filho Jesus ascendeu. Alguns católicos concordam com os ortodoxos que este evento teria ocorrido após a morte de Maria, enquanto outros afirmam que ela não experimentou a morte. O Papa Pio XII, na sua constituição apostólica Munificentissimus Deus (1950), que definiu dogmaticamente o dogma da Assunção, deixou a questão propositadamente em aberto sobre se Maria teria ou não morrido no momento de sua partida, mas alude à sua morte pelo menos cinco vezes. Porém, durante uma audiência geral em 25 de junho de 1997, o papa João Paulo II afirmou que Maria, de fato, experimentou a morte natural antes de ascender. Ele disse:

É verdade que no Apocalipse, a morte é apresentada como uma punição pelo pecado. Porém, o fato de Igreja proclamar Maria livre do pecado original por um privilégio divino único não leva à conclusão de que ela também teria recebido a imortalidade física. A Mãe não é superior ao Filho, que morreu, dando à morte um novo significado, mudando-o para um meio de salvação. Envolvida na obra redentora de Cristo e associada a seu sacrifício salvador, Maria foi capaz de compartilhar de seu sofrimento e morte pelo bem da redenção da humanidade. O que Severo de Antioquia diz sobre Cristo também se aplica a ela: “Sem uma morte preliminar, como poderia teria ocorrido a Ressurreição?  Para compartilhar da Ressurreição de Cristo, Maria teve que primeiro compartilhar de sua morte. O Novo Testamento não nos dá nenhuma informação sobre as circunstâncias da morte de Maria. Este silêncio nos leva a supor que ela teria ocorrido naturalmente, sem nenhum detalhe adicional que merecesse atenção.

Se não fosse este o caso, como poderia a informação sobre ela ter permanecido escondida de seus contemporâneos e não ter sido passado para nós de alguma forma? Sobre a causa da morte de Maria, as opiniões que querem excluí-la da morte por causas naturais parecem sem fundamento. É mais importante olhar para a atitude espiritual da Abençoada Virgem no momento de sua partida deste mundo.

Neste ponto, São Francisco de Sales defende que a morte de Maria se deu por um transporte de amor. Ele fala de uma morte “no amor, do amor e através do amor”, chegando ao ponto de dizer que a Mãe de Deus morreu de amor pelo seu filho Jesus (“Tratado sobre o Amor de Deus, livro 7, c. XIV). Qualquer que tenha sido, do ponto de vista físico, a causa orgânica, biológica do fim de sua vida terrestre, pode-se afirmar que para Maria a passagem desta vida para a outra foi o desenvolvimento completo da graça na glória, de modo que nenhuma outra morte pode ser tão adequadamente chamada de “dormição” como a dela.

Ícone da Dormição por Teófanes, o Grego, 1392. A Theotokos aparece deitada numa liteira rodeada pelos doze apóstolos. No centro, Jesus Cristo aparece numa mandorla, enrolando a alma da Virgem Maria (um serafim vermelho aparece acima de sua cabeça). De cada lado dele estão os hieromártires Dionísio, o Areopagita, e Inácio de Antioquia, que, de acordo com a tradição, foram os responsáveis pelo relato da Dormição.
Ícone da Dormição por Teófanes, o Grego, 1392. A Virgem aparece deitada numa liteira rodeada pelos doze apóstolos..

Desenvolvimento da tradição da Dormição

A tradição da Dormição está associada com vários lugares, principalmente com Jerusalém, que abriga o túmulo de Maria e a Basílica da Dormição de Maria, e com Éfeso, onde está a Casa da Virgem (Meryem Ana).

Durante os primeiros quatro séculos, nada se escreveu sobre o fim da vida da Virgem Maria, embora se afirme, sem documentação sobrevivente, que a Festa da Dormição já era observada em Jerusalém logo depois do Concílio de Éfeso (431).

No final do século V, quando as primeiras tradições sobre a Dormição começam a aparecer nos manuscritos, Stephen Shoemaker detectou a repentina aparição de três distintas tradições narrativas descrevendo o final da vida de Maria (além de um punhado de outras atípicas): ele as chamou de “Palma da Árvore da Vida”, “Belém” e “Copta”.

No Brasil

A festa de Nossa Senhora da Glória é a mesma festa litúrgica da Assunção de Nossa Senhora, em que a Igreja celebra a glorificação de Maria coroada como rainha do céu e da terra.  Por isso, Nossa Senhora da Glória é representada com uma coroa na cabeça, um cetro na mão e o Menino Jesus nos braços.

A devoção a Nossa Senhora da Glória chegou ao Brasil em 1503, trazida pelos primeiros colonos portugueses que aqui chegaram e construíram a primeira igreja a ela dedicada em Porto Seguro, na Bahia.

Altar de N.S Gloria no Rio de Janeiro
Altar de N.S Gloria no Rio de Janeiro

A devoção no Rio de Janeiro

A devoção a Nossa Senhora da Glória surgiu no Rio de Janeiro no início do século XVII, alguns anos após a fundação da cidade, quando no ano de 1608, um certo Ayres colocou uma pequena imagem da Virgem numa gruta natural existente no morro. Mas as origens históricas remontam a 1671. O ermitão Antonio Caminha, natural do Aveiro em Portugal, esculpiu a imagem da Virgem em madeira e ergueu uma pequena ermida no “Morro do Leripe”, onde já existia a gruta, formando-se em torno um círculo de devotos. Diz a lenda que para presentear o rei D. João V, Caminha fez uma réplica da imagem embarcando-a para Portugal. O navio que a transportava naufragou e as ondas a levaram para uma praia na cidade de Lagos, no Algarve. Aí frades capuchinhos a recolheram, levando-a para o convento onde é cultuada até os dias atuais, na Igreja de São Sebastião.

As terras com o nome de Chácara do Oriente, compreendendo o Outeiro, pertenciam a Cláudio Gurgel do Amaral e foram doadas à Nossa Senhora em escritura pública de 20 de junho de 1699, com a condição de ser edificada uma capela permanente, e que nela fossem sepultados o doador e seus descendentes. Pelo contexto da escritura depreende-se que em 1699 já havia uma Irmandade para cultuar Nossa Senhora da Glória, confraria que segundo o “Santuário Mariano” possuía, em 1714, “quantidade de dinheiro para dar princípio a uma nova e grande igreja de pedra e cal, porque a primeira que se fez foi de madeira e barro.”

Óleo sobre tela de Nossa Senhora da Glória e o Menino Jesus pertencente à Irmandade do Outeiro da Glória
Óleo sobre tela de Nossa Senhora da Glória e o Menino Jesus pertencente à Irmandade do Outeiro da Glória

A Irmandade de Nossa Senhora da Glória foi canonicamente instituída a 10 de outubro de 1739, ano em que se concluiu a construção do templo, por ato provisional do Bispo do Rio de Janeiro, Frei Antonio de Guadalupe, em resposta a uma petição dos Irmãos. A Igreja ganhou enorme prestígio quando da chegada da Corte Portuguesa, em 1808. A família Real tinha especial predileção por ela. Em 1819 a princesa Maria da Glória foi trazida por seu avô, D. João VI, para a cerimônia da consagração. A partir de então todos os membros da família Bragança, nascidos no Brasil, são consagrados na Igreja.

A 27 de dezembro de 1849 D. Pedro II outorgou o título de “Imperial” à Irmandade. Após esta data todos seus descendentes nascidos no Brasil são membros da mesma. O advento da República respeitou esta outorga. Durante o governo de Getúlio Vargas foi declarada “Monumento Nacional”, e como tal tombada pelo Decreto-Lei de 25 de abril de 1937, que preserva os bens de valor artístico e histórico. O tombamento ocorreu a 17 de março de 1938, inscrito no Livro Tombo do Ministério de Educação e assinado por Rodrigo de Mello Franco de Andrade. A 1° de novembro de 1950 o Papa Pio XII conferiu à Igreja da Glória o título de “Basílica Nacional da Assunção”.

N.Sra. do Bom Conselho de Genazzano

Esta é a Belíssima Imagem de Nossa Senhora do Bom Conselho, também chamada de Santa Maria de Scudari, que desde o século XIII, era venerada pelo povo Albanês.
No Século XIV, este povo  buscava Nela refúgio e proteção contra a invasão dos Turcos e Otomanos que naquela época assolavam seu País. Sem contarem com forte exército, o povo albanês recorria a Santíssima Virgem nesta sua Bela imagem para que dessem a eles um defensor. Deus ouviu suas orações e suscitou este defensor na pessoa do Monarca Jorge Castriota, mais conhecido como Principe Scanderbeg.

Homem devoto da Santíssima Virgem, Scanderbeg lutava incansavelmente para defender a Glória da Mãe de Deus e de seu País.
Entre uma batalha e outra, Scanderberg ajoelhava-se junto com seus soldados aos pés da Virgem de Scudari para lhe consagrarem a vida, rogarem por proteção e valimento nas batalhas. A Santíssima Virgem, por Sua vez, os retribuía com favores, graças e vitórias.

Our_Lady_of_Good_Counsel_by_Pasquale_Sarullo
Pintura de Pasquale Sarullo

Após 23 anos de lutas em favor de seu País e de sua Senhora, Scanderbeg veio a falecer. Mas antes, pressentindo que sua morte estava próxima e temendo que o Belíssimo Quadro da Virgem do Bom Conselho e seu Santuário, os quais tanto amava, fossem profanados pelos exércitos inimigos, pediu a dois de seus soldados chamados Georgis e De Sclavis, que estivessem sempre aos pés da Santíssima Virgem e que a guardassem.

Após a morte de Scanderberg, lamentavelmente,  o povo sofreu a influência do cisma bizantino, e oscilou entre a adesão e a rejeição a Santa Fé. Assim, a Albânia pagou as conseqüências de sua prolongada inconstância e tibieza.
Os exércitos Turcos vendo-se livres do “fulminante leão de guerra” investiram contra a Albânia e a ocuparam quase que totalmente.
Somente Scútari, uma cidadezinha pequena ao norte do País, ainda não havia sido conquistada porque contava ainda com ‘proteção’.  E isso havia sido falado pelo próprio Scandebeg antes da sua morte.

Genazzano-238x300
A cidade de Genazzano

Mas sua caída, era só questão de tempo. Começou então o êxodo daqueles que não queriam perder a sua fé e tradições para os países vizinhos onde pudessem manter a fé católica.
Entre eles eram Giorgio e de Sclavis, ambos protagonistas desta história. Pensaram também em emigrar, mas algo os reteve ainda em Scútari. Era  uma igreja pequena onde se venerava uma imagem de Nossa Senhora, descida misteriosa do Céu fazia duzentos  anos. Pelas Graças que concedeu , seu Santuário tinha-se transformado no centro principal do peregrinação da Albânia.
Mas a devoção à imagem veio diminuindo e a verdadeira fé também. (Sem isto não se compreende a catástrofe do povo  albanês. ) De acordo com uma lamentação de um cronista da época : “…os moços e as moças,  já não têm gosto em florescer o altar de Maria em Scútari”, e o Santuário pareceu destinado agora a uma destruição inevitável.

Esta era a grande aflição de Giorgio e de Sclavis: deixar a Pátria no infortúnio, abandonando com ela aquele dom Celestial, o grande tesouro da Albânia. Com lágrimas, foram um dia ao velho Templo rogar a Santíssima Virgem em meio a grande dor, que Ela os desse o BOM CONSELHO que necessitavam. Pois lhes parecia que deviam preserva-la da fúria maometana e ao mesmo tempo  buscar o exílio para segurança de suas próprias almas.

A pintura de Nossa Senhora do Bom Conselho descendo sobre Genazzano.
A pintura de Nossa Senhora do Bom Conselho descendo sobre Genazzano.

Logo veio o Bom Conselho da Senhora à Georgis e De Sclavis. Ambos tiveram um sonho: A Santíssima Virgem lhes aparece e ordena-lhes seguirem-Na em uma grande Viagem. Dias depois, estando ajoelhados em oração diante de seu afresco, eis que o Belíssimo quadro da Senhora de Scutari  desprende-se de seu lugar e flutuando retira-se de sua Igreja.

Os dois seguem-na atônitos e confiantes, pois a Senhora já os havia exortado.
Verificam, então, estupefatos e eufóricos, que sob seus pés as águas se transformam em sólidos diamantes, voltando ao estado líquido após sua passagem. Que milagre! Tal como São Pedro sobre o lago de Genezaré, estes dois homens caminham sobre o Mar Adriático, guiados pela própria “Estrela do Mar”.
Caminharam por vários dias sem comerem, beberem ou sequer cansarem-se. Tinham os olhos fixos na Senhora e A seguiam pelo mar.

Nossa Senhora Bom Conselho e os albaneses atravessando o Adriático
Nossa Senhora Bom Conselho e os albaneses atravessando o Adriático

Eis então, que percebem ter chegado em algum lugar… Era outro País. Língua estranha e a Senhora… Onde estava? Perderam a visão da Senhora e isso os assolou de grande dor…
Passaram então a procurá-la, mas sequer sabiam falar o idioma daquela nação. Estavam na Itália, nas proximidades de Roma.

Em paralelo a este acontecimento, vivia em Genazzano Petruccia de Nocera, viúva desde 1436 e sem filhos.
Mulher muitíssimo devota da Santíssima Virgem Maria. Dedicava sua vida totalmente a Deus. Contava-se já com oitenta anos. Esta piedosa senhora recebeu do Espírito Santo a seguinte revelação: “Maria Santíssima, em sua imagem de Scútari, deseja sair da Albânia”. Muito surpresa com essa comunicação sobrenatural, Petruccia assombrou-se mais ainda ao receber da própria Santíssima Virgem expressa ordem de edificar o templo que deveria acolher o seu Afresco, bem como a promessa de ser socorrida em tempo oportuno.

Beata Petruccia
Beata Petruccia

Começou então a idosa e virtuosa viúva a construir a Igreja. Vendera todos seus bens e usou de tudo que tinha para poder atender ao pedido da Mãe de Deus, mas mesmo assim, o dinheiro não foi suficiente para edificar mais que uma parede de um metro de altura… Foi tudo o que conseguira. Enquanto isso, o povo de Genazzano negava-lhe ajuda.

Chamavam-na de louca, visionária, imprudente e antiquada. Cotidianamente usavam contra ela aqueles versículos bíblicos:
“-Pois qual de vós querendo edificar uma torre, não assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não podendo terminar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele dizendo: este homem começou a edificar e não pode acabar.” (Lucas. 14, 28-30)

Petruccia vivia na solidão. Sem ajuda, sem amigos…, assim como Noé obedecia a Deus mesmo em meio as zombarias.

O milagre

Imagem de Nossa Senhora do Bom Conselho no altar da igreja em Genazzano.
Imagem de Nossa Senhora do Bom Conselho no altar da igreja em Genazzano.

No dia 25 de abril de 1467, Festa de São Marcos que era padroeiro da cidade de Genazzano, Petruccia dirigi-se para a “igreja” para rezar. Era dia de feira. Quatro horas da tarde. O povo de Genazzano estava em meio ao barulho e bulício quando de repente ouvem uma celestial melodia e param para verem de onde vem.
Vinha de uma nuvenzinha branca que descia do Céu. Todos, atônitos, pararam e seguiram a nuvem para verificarem o que ocorria.
Estupefatos, observaram desfazer-se a nuvem e aparecer o belíssimo quadro da Senhora do Bom Conselho, descendo trazida por anjos para à  única parede inacabada que Petruccia conseguira construir e ali manter-se flutuando em meio a melodias angelicais, badalar de sinos e espanto dos moradores.

Descia do céu a Senhora de Scutari, a SENHORA DO BOM CONSELHO para a igreja de Petruccia.
Quanta alegria e consolo para Petruccia que vê finalmente realizada a promessa da Mãe de Deus.

Dias depois, os valentes Georgis e De Sclavis que percorriam a Itália em busca de Sua Senhora, tomaram conhecimento do Milagre que havia ocorrido na cidade de Genazzano. Imaginaram então, que este podia ser o Afresco da Senhora.
Foram então, sem titubear para Genazzano onde, radiantes de alegria, puderam confirmar que o quadro que se mantinha flutuando diante da parede daquela igreja inacabada era o mesmo que eles vieram acompanhando pelo Mar Adriático e que agora finalmente encontraram.  Estes então passaram sua vida servindo e amando a Senhora do Bom Conselho, na cidade de Genazzano.

Estava confirmado o superior desígnio da construção iniciada. Teve início, assim, em Genazzano um longo e ininterrupto desfilar de milagres e graças que Nossa Senhora ali dispensa. O Papa Paulo II, tão logo soube do que havia sucedido, enviou dois prelados de confiança para averiguar o que se passara.
Estes constataram a veracidade do que se dizia e testemunharam, diariamente, inúmeras curas, conversões e prodígios realizados pela Mãe do Bom Conselho. Nos primeiros 110 dias após a chegada de Nossa Senhora, registraram-se 161 milagres.

O povo então diante disto resolveu ajudar, e hoje, o Belíssimo Santuário encontra-se construído e mantém-se até os dias de hoje sua Imagem FLUTUANDO na parede construída por Petruccia, assim como se estivesse sendo segurada por mãos de Anjos.

Petruccia morreu poucos anos depois do Milagre tendo então cumprido com fidelidade a ordem que a Virgem lhe dera. Deixou a este mundo um grande exemplo de Santidade e Confiança em Deus mesmo diante de todas as dificuldades e perseguições.

Ainda hoje os católicos albanenses tem esperança e rezam para que a Virgem do Bom Conselho, a Senhora de Scutari, volte para seu País e salve nele o catolicismo. Madre Tereza de Calcutá albanesa, quando esteve em Genazano no dia 10 de junho de 1993, deixou escrito no livro de visitantes:”-Maria, Mãe de Jesus, volta a tua casa na Albânia! Nós te amamos, nós temos necessidade de Ti. Tu és nossa Mãe, volta a tua casa na Albânia!Nós te pedimos!

Nossa Senhora das Candeias

A origem da devoção à Senhora das Candeias tem os seus começos na festa da apresentação do Menino Jesus no Templo e da purificação de Nossa Senhora, quarenta dias após o seu nascimento (sendo celebrada, portanto, no dia 2 de Fevereiro). De acordo com a tradição mosaica, as parturientes, após darem à luz, ficavam impuras, devendo inibir-se de visitar ao Templo até quarenta dias após o parto; nessa data, deviam apresentar-se diante do sumo-sacerdote, a fim de apresentar o seu sacríficio (um cordeiro e duas pombas ou duas rolas) e assim purificar-se.
Desta forma, José e Maria apresentaram-se diante de Simeão para cumprir o seu dever, e este, depois de lhes ter revelado maravilhas acerca do filho que ali lhe traziam, teria-lhes dito: «Agora, Senhor, deixa partir o vosso servo em paz, conforme a Vossa Palavra. Pois os meus olhos viram a Vossa salvação que preparastes diante dos olhos das nações: Luz para aclarar os gentios, e glória de Israel, vosso povo» (Lucas, 2,29-33).

Com base na festa da Apresentação de Jesus / Purificação da Virgem, nasceu a festa de Nossa Senhora da Purificação; do cântico de São Simeão (conhecido pelas suas primeiras palavras em latim: o Nunc dimittis), que promete que Jesus será a luz que irá aclarar os gentios, nasce o culto em torno de Nossa Senhora das Candeias, cujas festas eram geralmente celebradas com uma procissão de velas, para relembrar o fato.

Aparência

A Virgem da Candelária ou Nossa Senhora da Luz apareceu em uma praia na ilha de Tenerife (Ilhas Canárias, Espanha) em 1400. Os nativos guanches da ilha ficaram com medo dela e tentaram atacá-la, mas suas mãos ficaram paralisadas. A imagem foi guardada em uma caverna, onde, séculos mais tarde, foi construído o Templo e Basílica Real da Candelária (em Candelária). Mais tarde, a devoção se espalhou na América. É santa padroeira das Ilhas Canárias, sob o nome de Nossa Senhora da Candelária.

Invocação e expansão do cultoNossa Senhora das Candeias era tradicionalmente invocada pelos cegos (como afirma o Padre António Vieira no seu Sermão do Nascimento da Mãe de Deus: «Perguntai aos cegos para que nasce esta celestial Menina, dir-vos-ão que nasce para Senhora das Candeias […]»), e tornou-se particularmente cultuada em Portugal a partir do início do século XV; segundo a tradição, deve-se a um português, Pedro Martins, muito devoto de Nossa Senhora, que descobriu uma imagem da Mãe de Deus por entre uma estranha luz, no sítio de Carnide, no termo de Lisboa. Aí se fundou de imediato um convento e igreja a ela dedicada, que conheceu grande incremento devido à ação mecenática da Infanta D. Maria, filha de D. Manuel I e sua terceira esposa, D. Leonor de Áustria.

A partir daí, a devoção à Senhora das Candeias cresceu, e com a expansão do Império Português, também se dilatou pelas regiões colonizadas, com especial destaque para o Brasil, onde é a santa padroeira da cidade de Curitiba.

Lenda de Nossa Senhora das Candeias

A lenda de Nossa Senhora das Candeias é um mito sobre a fundação de Curitiba. Haveria uma imagem de Nossa Senhora das Candeias, localizada na capela do primeiro vilarejo da região, a Vilinha, ainda às margens do Rio Atuba (Curitiba). Todas as manhãs esta imagem estava voltada para uma dada direção. Interpretando como uma vontade da Santa, foi feito um contato com o cacique dos índios tingüi, o cacique “Tindiquera”. Este teria localizado o novo local e colocado uma vara no chão, dizendo “Coré Etuba”, com o significado de “muito pinhão”. Desta vara teria brotado uma frondosa árvore, sendo este o marco zero da cidade de Curitiba.

Existem outras lendas de Nossa Senhora da Luz em diversos locais do Brasil: Guarabira/PB, Pinheiro Machado/RS, Itu/SP, ou ainda Corumbá/MS. Em Juazeiro do Norte, Ceará, ocorre todos os anos uma grande romaria em sua homenagem.

Nossa Senhora da Luz, dita A Virgem do Carvoeiro. esta última imagem é brasileira do século XVI e está no Museu de Arte Sacra de São Paulo.

Nossa Senhora da Expectação do Parto

Nossa Senhora do Ó é uma devoção mariana surgida em Toledo, na Espanha, remontando à época do X Concílio, presidido pelo arcebispo Santo Eugênio, quando se estipulou que a festa da Anunciação fosse transferida para o dia 18 de Dezembro.
Sucedido no cargo por seu sobrinho, Santo Ildefonso, este determinou, por sua vez, que essa festa se celebrasse no mesmo dia, mas com o título de Expectação do Parto da Beatíssima Virgem Maria. Pelo fato de, nas vésperas, se proferirem as antífonas maiores, iniciadas pela exclamação (ou suspiro) “Oh!”, o povo teria passado a denominar essa solenidade como Nossa Senhora do Ó.

De origem claramente espanhola, conhecida na liturgia com o nome de “Expectação do parto de Nossa Senhora”, e entre o povo com o título de “Nossa Senhora do Ó”. Os dois nomes encerram o mesmo significado e objecto: os anelos santos da Mãe de Deus por ver o seu Filho nascido. Anelos de milhares e milhares de gerações que suspiram pela vinda do Salvador do mundo, desde Adão e Eva, e que se recolhem e concentram no Coração de Maria, como no mais puro e limpo dos espelhos.

A Expectação do parto não é simplesmente a ansiedade, natural na mãe jovem que espera o seu primogénito, é o desejo inspirado e sobrenatural da “bendita entre as mulheres”, que foi escolhida para Mãe Virgem do Redentor dos homens, para corredentora da humanidade. Ao esperar o seu Filho, Nossa Senhora ultrapassa os ímpetos afectivos duma mãe vulgar e eleva-se ao plano universal da economia divina da salvação do mundo. O Filho que vai nascer traz uma missão de catolicidade salvadora.

Não vem simplesmente para sorrir e para beijar a mãe, mas para resgatar com Seu sangue o povo. Os sentimentos da Virgem Maria, nos dias que precedem o nascimento de Jesus, não são egoístas; tendem somente para Deus, que será agora dignamente glorificado, e olham para todos os homens, que vão sair da escravidão para entrar na categoria de filhos, de nobres e livres, no Reino de Deus.

As antífonas maiores que põe a Igreja na Liturgia das Horas desde 18 de Dezembro até à véspera do Natal e começam sempre pela interjeição exclamatica Ó, como expoente altíssimo do fervor e ardentes desejos da Igreja, que suspira pela vinda pronta de Jesus, inspiraram ao povo espanhol a formosa invocação de “Nossa Senhora do Ó”, Nossa Senhora como centro dos desejos dos antigos justos de Israel e dos fiéis cristãos de hoje, que, à uma e em afectuosa comoção, anelam pela aparição do Messias. É ideia grande e inspirada: A Mãe de Deus, a Virgem Imaculada posta à frente da imensa caravana da humanidade, peregrina pelo deserto da vida, que levanta os braços suplicantes e abre o coração enternecido, para pedir ao céu que Ihe envie o Justo, o Redentor.

“Ó Sabedoria, … vinde ensinar-nos o caminho da salvação.” “Ó Chefe da Casa de Israel, … vinde resgatar-nos com o poder do vosso braço”. “Ó Rebento da Raiz de Jessé,… vinde libertar-nos, não tardeis mais”. “Ó Chave da Casa de David, … vinde libertar os que vivem nas trevas e nas sombras da morte”. “Ó Sol nascente, esplendor da luz eterna e sol de justiça, vinde iluminar os que vivem nas trevas e na sombra da morte”. “Ó rei das nações e Pedra angular da Igreja, vinde salvar o homem que formastes do pó da terra”. “Ó Emanuel, … vinde salvar-nos, Senhor nosso Deus”.

A festa de Nossa Senhora do Ó foi instituida no século VI pelo décimo concílio de Toledo, ilustre nos fastos da história pela dolorosa, humilde, edificante e pública confissão de Potâmio, bispo bracarense, pela leitura do testamento do ínclito S. Martinho de Dume, e pela presença simultânea de três santos naturais de Espanha: Santo Eugénio III de Toledo, S. Frutuoso de Braga e o então abade agaliense Santo Ildefonso.
Santo Ildefonso estabeleceu esta festa no dia 18 de Dezembro e deu-lhe o título de Expectação do Parto. Assim ficou sendo na Hispânia e passou a muitas Igrejas da França, etc. Ainda hoje é celebrada na arquidiocese de Braga e nesta Paróquia de Várzea de Lafões.

Iconografia: A imagem de Nossa Senhora do Ó sempre apresenta a mão esquerda espalmada sobre o ventre avantajado, em fase final de gravidez. A mão direita pode também aparecer em simetria à outra ou levantada. Encontram-se imagens com esta mão segurando um livro aberto ou também uma fonte, ambos significando a fonte da vida. Em Portugal essas imagens costumavam ser de pedra e, no Brasil, de madeira ou argila.

Perseguições: No começo do século XIX, mudanças no culto mariano começavam a estimular o dogma da Imaculada Conceição, o que não combinava com aquela santa em estado de adiantada gravidez, como a retratava a iconografia, estimada pelas mulheres à espera da hora do parto.

Muitas imagens foram trocadas pela da Nossa Senhora do Bom Parto, vestida de freira, com o ventre disfarçado pela roupa, ou mesmo pela imagem de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, mais condizente com os ventos moralistas de então.

Somente no fim do século XX se voltou a falar e pesquisar o assunto, tendo-se encontrado imagens antigas enterradas sob o altar das igrejas.

Nossa Senhora do Ó no Brasil: No Brasil, o culto iniciou-se à época desde o início da colonização, com o Capitão donatário Duarte Coelho, na Capitania de Pernambuco. Tendo fundado a vila de Olinda, nessa povoação erigiu-se uma Igreja sob a invocação de São João Batista, administrada por militares, onde era venerada uma imagem de Nossa Senhora da Expectação ou do Ó. De acordo com Frei Vicente Mariano, também se tratava de uma imagem pequena com cerca de dois palmos de altura, entalhada em madeira e estofada, de autoria e origem desconhecida. A tradição reputa esta imagem como milagrosa, tendo vertido lágrimas em 28 de Julho de 1719.

A partir dessa primitiva imagem em Olinda, a devoção se espalhou em terras brasileiras graças a cópias na Ilha de Itamaracá, em Goiana, em Ipojuca e em São Paulo, nesta última em casa da família de Amador Bueno e na do bandeirante Manuel Preto que fundou a igreja e o bairro bem conhecidos até hoje. Os bandeirantes , por sua vez levaram a devoção para Minas Gerais, onde, em Sabará, se erige a magnífica Capela de Nossa Senhora do Ó, em estilo indo-europeu, atualmente tombada pelo Iphan.

  • A primeira imagem deste artigo é uma obra do artista italiano da renascença Piero Della Francesca.
  • A segunda imagem é obra do artista italiano Taddeo Gaddi de Firenze.
  • Nossa Senhora do Ó – Paróquia em São Paulo

Representações da Imaculada concepção

Atualmente a iconografia mais associada à Imaculada Concepção é aquela tão bem divulgada pela pintura produzida no Siglo de Oro espanhol. Zurbarán, Murillo e, sobretudo, Pacheco, nos deixaram representações que mostram uma jovem de cabelos anelados suspensa no ar, de mãos postas e manto esvoaçante, pisando sobre uma esfera e/ou um crescente lunar, uma serpente e uma nuvem salpicada de querubins.

À esquerda, Francisco de Pacheco (1554-1644), A Imaculada Conceição com o Poeta Miguel del Cid, c. 1616-7, Catedral de Sevilha, Andaluzia e à direita, Francisco de Zurbarán (1598-1664), Imaculada Conceição, 1634, Museu Cerralbo, Madri. Imagens da Web Gallery of Art.

As primeiras representações da Imaculada, entretanto, estavam bem distantes desta fórmula que acabou por se popularizar. Na passagem entre a Idade Média e o Renascimento encontramos algumas representações da concepção de Maria e as soluções encontradas pelos artistas variaram bastante. Giotto, por exemplo, na série Cenas da Vida de Joaquim, que decora parte da Capela Scrovegni em Pádua, mostrou o Encontro na Porta Dourada (1304-06), onde vemos Joaquim e Ana trocando um beijo bastante fraternal diante da porta dourada.

Giotto, Cenas da Vida de Joaquim: Encontro na Porta Dourada,1304-06, afresco da Capela Scrovegni Pádua. Imagem da Web Gallery of Art
Jean Bellegambe, pintor flamengo que viveu na França, encontrou outra maneira para representar a concepção, mostrando Maria dentro do ventre de Ana.

À esquerda, Jean Bellegambe (1470-1534), Santana concebendo a Virgem Maria, Museu de la Chartreuse, Douai e à direita, Carlo Crivelli, A Imaculada Conceição, 1492, Galeria Nacional de Londres.
Todas as referências históricas e pesquisas são de Marcia bonnet