Nossa Senhora do Bom Conselho

Nossa Senhora do Bom Conselho

Mater Boni Consili

Anúncios

Nossa Senhora da Confiança

nsraconfiançaA devoção a Nossa Senhora da Confiança surgiu na Itália há quase três séculos e está vinculada à venerável Irmã Clara Isabella Fornari, monja clarissa falecida em 1744, cujo processo de beatificação está em andamento. Ela foi privilegiada por Deus com graças místicas, entre as quais a de receber em seus membros os estigmas da Paixão.

Nutrindo uma devoção muito particular à Mãe de Deus, portava sempre consigo um milagroso quadro que a representa com o Menino Jesus nos braços. A essa pintura foram atribuídas graças e curas numerosas, e já no século XVIII começaram a circular pela Itália cópias dela, dando origem à devoção a Santíssima Virgem sob o título de Mãe da Confiança.

Uma das cópias acabou por se tornar mais célebre que a original, sendo levada para o Seminário Maior de Roma, o principal do mundo, por ser o seminário do Santo Padre, de onde ela se tornou padroeira. Todos os anos é venerada pelo próprio Pontífice, que vai visitá-la na festa da Madonna della Fiducia [em português: Nossa Senhora da Confiança], em 24 de fevereiro.

Desde cedo, Nossa Senhora mostrou aos seminaristas que – sempre que recorressem a Ela sob a invocação de Nossa Senhora da Confiança, podiam contar com seu poderosos auxílio nas piores situações. Nesse sentido, entre os fatos prodigiosos mais insignes contam-se as duas vezes (1837 e 1867) em que uma epidemia de cólera atingiu a Cidade Eterna, mas o Seminário Romano foi milagrosamente poupado pela poderosa intercessão de sua Padroeira. Além disso, na Primeira Guerra Mundial, cerca de cem seminaristas foram enviados à frente de batalha e se colocaram sob a especial proteção da Madonna della Fiducia. Todos retornaram vivos, graça que atribuíram à proteção da Santíssima Virgem. Em agradecimento, entronizaram o venerável quadro numa nova capela de mármore e prata.

Quando o famoso quadro do Seminário Romano ali chegou, vinha acompanhado de um antigo pergaminho, conservado intacto até nossos dias, o qual traz consoladoras palavras da Irmã Clara Isabel: “A divina Senhora dignou-Se conceder-me que toda alma que com confiança se apresentar ante este quadro, experimentará uma verdadeira contrição dos seus pecados, com verdadeira dor e arrependimento, e obterá de seu diviníssimo Filho o perdão geral de todos os pecados. Ademais, essa minha divina Senhora, com amor de verdadeira Mãe, se comprouve em assegurar-me que a toda alma que contemplar esta sua imagem, concederá uma particular ternura e devoção para com Ela”.

A devoção a Madonna della Fiducia mostra-se particularmente benéfica quando se reza a jaculatória: minha Mãe, minha confiança!

Muitos são aqueles que se fortalecem na confiança, ou a recuperam, apenas por contemplar essa bela pintura, sentindo-se inundados pelo olhar maternal, sereno, carinhoso, encorajador da Rainha do Céu.

E o Divino Menino, também fitando o fiel, aponta decididamente o dedo indicador para a Santíssima Virgem, como a dizer:

Coloque-se sob a proteção dela, recorra a Ela, seja inteiramente d’Ela, e você conseguirá chegar até Mim.

No dia 5 de fevereiro de 2005, o Papa João Paulo II, falando aos seminaristas a respeito do gesto de Jesus presente no ícone de Nossa Senhora da Confiança disse que ao indicar a Mãe, parece que o menino Jesus, antecipa aquilo que falaria na cruz ao discípulo João: “eis a tua mãe”. Também eu hoje vos repito: eis a vossa Mãe, que deve ser amada e imitada com confiança total.”

Nossa Senhora do Desterro

2 - Murillo - Fuga para o Egito - Museum of Fine Arts, Budapeste
Murillo – Fuga para o Egito – Museum of Fine Arts, Budapeste

Nossa Senhora do Desterro é um título católico dado à Santíssima Virgem Maria. Representa a fuga da Sagrada Família para o Egito, por isso, também é conhecida como Nossa Senhora da Fuga. É muito venerada na Itália como a “Madonna degli Emigranti“, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro, portanto, é a padroeira dos refugiados estrangeiros.

Este título possui fundamento bíblico (Mateus 2,13-14), e está relacionado ao fato que ocorreu na época do nascimento de Jesus: logo após a partida dos Reis Magos, um anjo apareceu em sonho para São José, e disse: “Levanta, toma o menino, a sua Mãe, e foge para o Egito; permaneça lá até que eu te avise, porque Herodes procura o menino para o matar”. Ainda durante a noite, São José partiu para o Egito juntamente com Maria, no lombo de um animal, levando Jesus Cristo recém-nascido nos braços.

Foi uma viagem muito longa e difícil, uma vez que Belém situa-se a cerca de 250 quilômetros do delta do Nilo. Uma tradição fixa em Macarié, nas proximidades de Heliópolis, o local da permanência da Sagrada Família. Antigamente calculava-se em sete anos a duração deste exílio. Os autores modernos, porém, acreditam ter sido bem menor.

Várias lendas estão relacionadas ao desterro da Virgem Maria, como a da tamareira, que curvou seus galhos para que Maria pudesse colher seus frutos. Conta-se também que a Sagrada Família foi atacada por ladrões, mas eles não fizeram mal algum a pedido de um dos integrantes – Dimas, “o bom ladrão” – mais tarde crucificado ao lado de Jesus Cristo, e hoje declarado santo.

Após a morte de Herodes, o mesmo anjo avisou a São José que poderiam voltar para Israel. Entretanto, ainda temerosos das atitudes de Arquelau, filho de Herodes, fixaram-se em Nazaré, na Galiléia.

nossa_senhora_desterro3Devoção a Nossa Senhora do Desterro no Brasil

No Brasil, a devoção a Nossa Senhora do Desterro começou no período colonial, com os portugueses, que buscavam consolo e proteção na figura da Virgem Exilada. As primeiras igrejas foram construídas na Bahia e no Rio de Janeiro. Também a cidade de Florianópolis chamou-se durante mais de dois séculos Vila do Desterro, pois nasceu em torno de uma capela construída em 1673.

Atualmente, o santuário da cidade paulista de Casa Branca é o local de maior peregrinação dos devotos de Nossa Senhora do Desterro, devido ao grande número de graças alcançadas por seu intermédio.

É invocada por muitos brasileiros que deixaram o país em busca de melhores oportunidades de trabalho na Europa, EUA, Japão (dekaseguis) e outros países desenvolvidos que acolhem estes imigrantes.

A primeira capela dedicada a Nossa Senhora do Desterro, construída em 1651, marcou o início do reconhecimento da povoação de Jundia/SP. Quatro anos mais tarde, Jundiaí foi elevada à categoria de vila. No dia 28 de março de 1865, a vila foi elevada à condição de cidade.

No ano de 1673, o fundador de Florianópolis, cidade que se chamava Desterro, hoje capital de Santa Catarina, Francisco Dias Velho, trouxe uma imagem de Nossa Senhora do Desterro para a ilha e ali construiu uma pequena capela em honra de Maria do Desterro, iniciando sua devoção no Brasil.

Papa Pio X, quando da construção da Catedral de Florianópolis, dedicou Nossa Senhora do Desterro como Padroeira da cidade. Existem no Brasil muitas cidades que mantém a devoção a Nossa Senhora do Desterro, com capelas e igrejas em sua homenagem.

nossa_senhora_desterro2Santuário na Itália

Santuário de Nossa Senhora dos Emigrantes está a mais de mil metros do nível do mar, foi dedicada à Sagrada Família no exílio do Egito. Carlo Emanuele Meotti, tornou-se o ponto de referência para o seu apostolado entre os imigrantes da montanha de Bolonha e Modena.

Dentro do santuário tem um quadro de pintura à óleo sobre tela do início do século XX, retratando a Fuga para o Egito, um exemplo de todos aqueles que, por diversas razões, tiveram que deixar suas terras em países estrangeiros para procurar um emprego e de melhores oportunidades de vida.

Ao lado da igreja ainda é visível da varanda que dá acesso ao local a primeira pedra do santuário que foi lançada em 08 de setembro de 1902 e foi inaugurado em 1906 pelo Cardeal Domenico Svampa.

O edifício é acessado por uma escadaria larga. O interior tem três naves. Na capela, com uma abside poligonal iluminado por duas janelas laterais dedicado aos emigrantes, é ” A Fuga para o Egito da Sagrada Família “ pintura a óleo sobre tela de cópia do original que foi destruída.

Antes de chegar ao santuário há uma indicação do pequeno santuário, onde reuniram-se os restos mortais de algumas das vítimas do massacre nazista de 1945.

Oração a Nossa Senhora do desterro

Ó Bem Aventurada Virgem Maria, Mãe do Nosso Senhor Jesus Cristo, Salvador do Mundo, Rainha do Céu e da terra, advogada dos pecadores, auxiliadora dos cristãos, protetora dos pobres, consoladora dos tristes, amparo dos órfãos e viúvas, alivio das almas que penam, socorro dos aflitos, desterradora das indigências, das calamidades, dos inimigos corporais e espirituais, da morte cruel, dos tormentos eternos, de todo bicho e animal peçonhento, dos maus pensamentos, dos sonhos pavorosos, das cenas terríveis e visões espantosas, do rigor do dia do juízo final, das pragas, dos incêndios, desastres, bruxarias e maldições, dos malfeitores, ladrões, assaltantes e assassinos.

Minha amada Mãe, eu prostrado agora aos vossos pés, com piedosíssimas lágrimas, cheio de arrependimento das minhas pesadas culpas, por vosso intermédio imploro perdão a Deus infinitamente Bom.

Rogai a vosso Divino Filho Jesus, por nossas famílias, para que ele desterre de nossas vidas todos estes males, nos dê o perdão de nossos pecados, e nos enriqueça com sua divina graça e misericórdia.

Cobri-nos com vosso Manto maternal, ó divina estrela dos montes.

Desterrai de nós todos ao males e maldições. Afugentai de nós a peste e os desassossegos.

Possamos, por vosso intermédio, obter de Deus a cura de todas as doenças, encontrar as portas do Céu abertas, e convosco ser felizes por toda a eternidade. Amém.

Nossa Senhora do Desterro, rogai por nós que recorremos a Vós.

Endereço:

Santuário de Nossa Senhora do Desterro – Rua dos Pelegrinis, 11 – Bairro Desterro – Casa Branca – SP – CEP: 13700-000 – Fone: (19) 3671-1143